Berli(m)ner, pelo et(h)eriano Rui Azeredo

Nunca pensei, mas hoje digo com convicção «Ich Bin Ein Berliner»

 

Nunca imaginaria, há uns anos, que um dia pudesse vir a proferir com convicção a famosa frase de JFK, mas hoje em dia a verdade é que a digo com muito gosto e toda a convicção. Assim sendo, aqui vai: «Ich bin ein berliner.»

Tendo crescido a ler livrinhos de BD do Major Alvega e outros de guerra, especialmente da II Guerra Mundial, habituei-me, injustamente, é certo, a associar a Alemanha a nazis. «Achtung» e «schnell» eram das poucas palavras que conhecia em alemão, aprendidas em balões de BD saídos de bocas de malvados e carrancudos soldados germânicos. Assim sendo, sem querer fui pondo de parte a cultura germânica, ligando-me mais a influências inglesas, francesas e americanas.

Do lado de lá do Muro de Berlim também não vinha nada de bom, pois apesar de todo o secretismo tinha-se a perfeita noção de que ali, na República Democrática Alemã, não se vivia nada bem… exceto alguns privilegiados.

Dessa forma, nunca me ocorreu pensar numas férias na Alemanha. Até um dia, impulsionado pelos voos low-cost. E, meramente por uma questão de preços, Berlim foi o destino eleito. E que bela surpresa se revelou. Por norma, encontro pontos de interesse em praticamente todos os locais que visito, mas Berlim foi daquelas cidades em que, sem falsidade nem exagero, pude dizer: «Moraria aqui com gosto.»

 

IMG_5934

Reprodução de sala de estar típica da RDA (Museu da RDA)

IMG_5936

Objetos da RDA (Museu da RDA)

IMG_5937.JPG

Vista geral de Berlim, junto à catedral, na margem do rio Spree

 

Grande, mas sossegado

Vale bem a pena desfrutar da cidade ao ar livre, sentir a rua, percorrer as avenidas amplas e ordenadas, entre edifícios majestosos, mas nada intimidantes, aproveitar os jardins e os muitos canais que ajudam a cidade a respirar. Esplanadas não faltam, nem cafés de requinte, ou restaurantes de todos os pontos do globo, sendo obrigatório provar a cerveja local.

O ambiente é calmo e sossegado, exemplificado no trânsito, apesar da grande dimensão da cidade, pois tudo tem o seu espaço e o seu ritmo, sem sufocos, sem pressas.

A cada passo, surge a inevitável presença do que resta do Muro de Berlim, alguns troços ainda intactos, outros em escombros por ação dos caçadores de relíquias, ou então demarcado no chão em todo o seu comprimento, uma mera recordação de uma linha que chegou a dividir não só uma cidade, mas grande parte do mundo. Nos pontos mais importantes, há explicações, enquadramentos e evocações do que se foi passando junto ao mais famoso muro do mundo.

Berlim foi uma cidade desunida que agora representa unidade e um dos locais onde isso será mais visível e palpável será a famosíssima Alexanderplatz. Esteticamente, não é das praças mais bonitas do mundo, mas a variedade de gente e de culturas que a «habita», sendo um ponto de encontro de locais e visitantes, poderá ser um belo resumo do que representa hoje Berlim.  Toda a gente lá passa e para, conversa-se, olha-se, respira-se.

 

Prisão da STASI:

IMG_5942.JPG 

IMG_5939.JPG

 

Aceitar o passado

O modo como os alemães enfrentam o passado, sem o renegarem, é uma lição para todos, nomeadamente para os portugueses que, passados tantos anos, ainda sentem tanta dificuldade em encontrar a melhor forma de lidar com os seus quase cinquenta anos de ditadura. Esta abertura a discutir o passado, em vez de o varrer para debaixo do tapete, foi uma coisas que mais me seduziu nos alemães.

Em Berlim, o passado nazi não é apagado, basta ver, por exemplo, a bela e recheada ala dedicada a esta época no museu de história da Alemanha, o Deutsches Historisches Museum.

E o que dizer da RDA? O museu da DDR junto ao rio Spree, do outro lado da Berliner Dom, é um excelente espaço, bem equipado e recheado, traçando um retrato bem conseguido sobre como era a vida na Alemanha Oriental nos tempos da influência soviética, sem esquecer o devido enquadramento político e social. Educativo, formativo, mas também descontraído, reproduz o ambiente doméstico, exibe um Trabant, jornais da época e material diverso.

Saindo um pouco mais do centro da cidade, e para quem tiver mais estômago, é de visitar o Berlin-Hohenschönhausen Memorial, onde funcionava, nomeadamente, a antiga prisão da STASI, polícia secreta da RDA, para onde eram sorrateiramente levados, e depois muito maltratados (no mínimo), todos aqueles de quem o regime desconfiava, com ou sem razão.

Mais ligeiro, mas igualmente bem montado e cativante, o moderno museu dos espiões, Deutsches Spionage Museu (no centro, na Leipziger Platz), exibe toda a parafernália dos espiões ao longo dos anos, mais parecendo a sala de equipamentos de James Bond. Por falar de 007, este também tem direito a uma pequena ala, na única zona dedicada à espionagem de ficção. Sendo Berlim uma das capitais mundiais da espionagem, não terá sido complicado montar este espaço, e isso, aliado a uma boa dose de imaginação, permitiu engendrar um «pequeno» museu capaz de cativar todos os públicos, com algumas bem conseguidas atividades para os mais jovens.

 

IMG_5940.JPG

Ampelmann

IMG_5943.JPG

Peça nazi no museu de história

 

O que sobra do Leste

Berlim, desde a reunificação (anexação?) alemã, está constantemente em remodelação, com novos prédios a substituir a cinzenta arquitetura da RDA. Pouco restará do que pertenceu em tempos à Alemanha de Leste, mas ainda há nas ruas uns vestígios, que funcionam mais como curiosidades turísticas do passado. É possível, por exemplo, circular num velho Trabant, que emana do seu escape um fedor que levará os mais velhos a recordar, sem saudades, os seus carros poluentes dos anos 70 e 80. Já não achava possível ver sair tanto fumo de um único escape.

E nas passadeiras é impossível não sorrir diante do simpático Ampelmann. Quem é ele? O bonequinho, vermelho ou verde, que nos semáforos dá instruções aos peões e que é hoje um símbolo da Berlim unida.

IMG_5947.JPG

Algumas das vítimas mortais, abatidas a tentar passar o muro

IMG_5950.JPG

Sapatos muito especiais no Museu dos Espiões

IMG_5951.JPG

É possível alugar um Trabant e poluir à moda antiga

IMG_5949.JPG

Interior de café berlinense

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s